PF emite parecer sobre “atos antidemocráticos” e frusta Alexandre de Moraes.

A Polícia Federal não encontrou elementos suficientes para indiciar os responsáveis pela realização ou financiamento dos atos considerados antidemocráticos pelo STF.

Na manifestação enviada ao ministro Alexandre de Moraes a PF não solicita mais prazo para a investigação.

Os autos do inquérito estão agora com a PGR, que pode solicitar a continuidade da investigação, ou, então, Moraes pode decidir por mais diligências.

O inquérito foi aberto em abril de 2020 pelo próprio STF. 

Ao autorizar a ação da Polícia Federal no caso, o ministro do Supremo afirmou que o grupo que promoveu atos antidemocráticos é financiado por diversas formas por empresários. “Ressalte-se, também, que toda essa estrutura, aparentemente, estaria sendo financiada por empresários que, conforme os indícios apresentados atuariam de maneira velada fornecendo recursos — das mais variadas formas —, para os integrantes dessa organização”.

Ele também citou que a PGR indicou a estruturação da associação criminosa, que seria formada por quatro núcleos, intitulados “organizadores e movimentos”, “influenciadores digitais e hashtags”, “monetização” e “conexão com parlamentares”.

Confira a lista dos alvos de busca e apreensão devido a investigação:

  • Daniel Silveira (PSL-RJ), deputado federal
  • Allan dos Santos, jornalista
  • Luís Felipe Belmonte, advogado, vice-presidente do Aliança pelo Brasil e suplente do senador Izalci Lucas (PSDB)
  • Sergio Lima, marqueteiro do Aliança pelo Brasil
  • Fernando Lisboa, youtuber
  • Ravox Brasil, youtuber
  • Emerson Teixeira, professor da rede pública do DF e youtuber
  • Camila Abdo, jornalista
  • Otavio Fakhoury, empresário
  • Alberto Silva, do canal Giro de Notícias
  • Marcelo Frazão, youtuber
  • Ernani Fernandes Barbosa Neto, advogado
  • Thais Raposo do Amaral Pinto Chaves, sócia de Ernani
  • Valter Cesar Silva Oliveira, do canal Nação Patriota
  • Roberto Boni, youtuber