Mike Pence apoia contestação dos votos do Colégio Eleitoral em 6 de janeiro

O vice-presidente Mike Pence disse que acolhe os esforços dos legisladores para desafiar os resultados do Colégio Eleitoral na próxima sessão conjunta do Congresso em 6 de janeiro, quando os votos são contados formalmente, de acordo com um comunicado enviado por seu chefe de gabinete aos jornalistas.

O vice-presidente-chefe da Casa Civil, Marc Short, divulgou o comunicado  no sábado dizendo que Pence, que presidirá a sessão de 6 de janeiro como presidente do senado, está aberto a considerar as objeções planejadas de deputados republicanos e senadores aos votos do Colégio Eleitoral Candidato presidencial democrata Joe Biden.

Short acrescentou que o vice-presidente também agradece os esforços dos legisladores em apresentar evidências de irregularidades eleitorais e supostas fraudes eleitorais perante o Congresso durante aquela sessão.

“O vice-presidente Pence compartilha das preocupações de milhões de americanos sobre fraudes e irregularidades eleitorais na última eleição”, disse Short em um comunicado enviado aos meios de comunicação.

Isso aconteceu depois que um grupo de 11 senadores republicanos anunciou sua intenção de contestar os votos do colégio eleitoral dos estados contestados no início do sábado. O grupo, liderado pelo senador Ted Cruz (R-Texas), disse que a eleição de 2020 “apresentou alegações sem precedentes de fraude eleitoral, violações e aplicação frouxa da lei eleitoral e outras irregularidades na votação”.

As alegações de fraude e irregularidades nas eleições de 2020 “excedem qualquer coisa em nossas vidas”, disseram eles, acrescentando que essa “profunda desconfiança” dos processos democráticos dos EUA “não desaparecerá magicamente” e “deve preocupar a todos nós”, sejam eleitos ou não funcionários ou jornalistas acreditam nas acusações.

Eles acrescentaram que pretendem se opor aos votos, a menos e até que a auditoria de emergência de 10 dias seja concluída.