Brasil investe em satélite para proteção da Amazônia

O Comando da Aeronáutica assinou nesta quarta-feira (30) um contrato sigiloso com a empresa finlandesa Iceye para compra de um satélite de observação terrestre avaliado em R$ 175 milhões.

O contrato foi assinado com dispensa de licitação autorizada pelo comandante da Aeronáutica, o brigadeiro do ar Carlos Moretti Bermudez, alegando “segurança nacional”.

Os satélites da Iceye usam a tecnologia SAR (Synthetic Aperture Radar, Radar de Abertura Sintética) para monitorar o solo. Eles usam pulsos de rádio que permitem observar o solo mesmo em dias nublados, o que não é possível com um satélite óptico, que usa câmeras para fotografar a região observada.

O equipamento será usado no Pese (Programa Estratégico de Sistemas Espaciais), que engloba o “Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (Sisgaaz), o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron), o Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Sisdabra), o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) e afins”.