Mandetta fica e governo prevê reduzir isolamento em cidades com poucos casos

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou na noite desta segunda-feira (6) que permanece no cargo, reiterou que “médico não abandona paciente”.

O anúncio foi feito hoje, em coletiva de imprensa marcada de última hora e que reuniu diversos secretários do Ministério, na qual afirmou novamente que “médico não abandona paciente” e que vai seguir trabalhando com “ciência, foco e planejamento”.

“Nós vamos continuar, porque continuando a gente vai enfrentar nosso inimigo. Nosso inimigo tem nome e sobrenome: é a covid-19. Temos uma sociedade para tentar proteger. Médico não abandona paciente, eu não vou abandonar”, afirmou o ministro.

“O momento é de cautela, proteção e distanciamento social. Isso que vocês estão passando não é quarentena nem lockdown. Quarentena e lockdown são muito piores do que isso”, observou o ministro.

Ainda hoje o Ministério fez uma previsão que a partir de 13 de abril, próxima segunda-feira, localidades onde o número de casos confirmados de covid-19 não ultrapassar mais de 50% dos leitos ocupados de seu sistema de saúde, vão poder fazer uma transição do distanciamento social (a quarentena) para o distanciamento social seletivo, mais flexível.

As cidades que se enquadrarem neste cenário vão poder liberar a circulação da maioria das pessoas e até a abertura do comércio, impondo restrições para apenas alguns grupos, normalmente aqueles com mais riscos de desenvolver a doença.

“Pessoas abaixo de 60 anos podem circular livremente, se estiverem assintomácos [sem sintomas]”, afirma o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde detalhando a medida, frisando que um dos objetivos é “promover o retorno gradual às atividades laborais com segurança, evitando uma explosão de casos sem que o sistema de saúde local tenha tempo de absorver”.

Neste caso, somente idosos e pessoas com doenças crônicas (diabetes, doenças do coração) ou condições de risco como obesidade e gestação de risco, deverão permanecer em quarentena.

A publicação do documento foi informada pelo secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira, em coletiva de atualização dos casos e situação da covid-19 no Brasil na tarde desta segunda-feira (6) em Brasília.