Encontro confirma que Executivo da Sinovac condiciona mudanças na fala de Bolsonaro para envio de insumos

Encontro que gerou documento sigiloso do Itamaraty entregue à CPI revela que a Sinovac cobrou mudança de postura do governo Jair Bolsonaro em relação à China para garantir o envio ao Brasil de insumos para a produção da Coronavac, pelo Instituto Burantan.

O encontrou aconteceu dias depois de Bolsonaro sugerir que o país asiático teria se beneficiado economicamente da crise e que a Covid pode ter sido criada em laboratório, falando em “guerra biológica”.

O material foi revelado pelo jornal O Globo nesta quarta (9).

Segundo consta no ofício, o presidente da farmacêutica chinesa, Weidong Yan, disse que “seria conveniente” que “o governo brasileiro buscasse desenvolver uma relação mais fluida e positiva com o governo chinês”. 

O ofício relata uma reunião ocorrida em 19 de maio na capital chinesa entre diplomatas e representantes brasileiros com o presidente da Sinovac.

Na reunião o presidente da Sinovac falou que a empresa havia expandido, “significativamente”, sua capacidade de produção, mas que não seria suficiente para atender toda a demanda e, nesse contexto, a mudança de posição do governo brasileiro em relação à China seria fundamental.