Brasil deixa grupo das dez maiores economias do mundo

A crise de saúde pública que se iniciou em 2020 foi uma das causadoras da saída do Brasil do grupo das dez maiores economias do mundo.

O país deverá fechar o ano como a 12ª maior economia em termos de valor do PIB, ultrapassado por Canadá, Coreia do Sul e Rússia.

O PIB do Brasil caiu 4,1% em 2020, diante da crise de saúde pública. O resultado é o pior desde 1990 e levou de R$ 7,3 trilhões para R$ 7,4 trilhões a soma das riquezas produzidas no país, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (3/2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Porém, fica ainda maior quando se coloca o Brasil no cenário internacional.

“Fica muito claro que o Brasil tem algum problema crônico e interno. É uma questão doméstica muito grave, que atribuo aos problemas que existem na gestão do Executivo e do Congresso, conflitos que persistem ao longo do tempo”, diz o economista-chefe da agência Austin Rating, Alex Agostini.

O tombo do Produto Interno Bruto (PIB) de 2020 deverá ser menos agudo do que o de vizinhos da América Latina, mas será maior do que nas economias emergentes da Ásia. Por outro lado, a retomada neste ano deixará a desejar, com ritmo inferior aos emergentes asiáticos e pouco abaixo dos pares latino-americanos, num cenário em que os Estados Unidos poderão ser destaque.

No somatório de 2020 e 2021, a economia brasileira deverá registrar uma retração média de 0,5% ao ano, mostra levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), com base nas projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), atualizadas em janeiro. A retomada de 2021 não recuperará totalmente o tombo de 2020, expectativa que já estava no cenário da maioria dos analistas.

Com o baque, o Brasil caiu da nona para a 12ª posição no ranking das 10 maiores economias mundiais e ainda passou a representar apenas 1,6% da economia global, ante os 2,1% registrados em 2019. E a projeção da Austing Rating, aliadas às perspectivas de crescimento mundial do Fundo Monetário Internacional (FMI), é que o Brasil continue perdendo espaço no cenário mundial em 2021.

Segundo a agência de risco, o Brasil pode passar a ser a 15ª economia mundial neste ano, representando apenas 1,5% do PIB global. “O Brasil vai crescer este ano, mas os outros países emergentes devem crescer o dobro do Brasil. Ou seja, o Brasil não cresce mais que os seus pares para tirar a diferença e ainda tem um problema fiscal enorme que faz com que a moeda continue desvalorizada frente ao dólar”, explicou Agostini.

O economista diz, então, que o país precisa avançar com medidas que garantam o retorno do crescimento doméstico, mas também com ações que ajudem a conter a desvalorização cambial. E cita como exemplo disso o andamento das reformas, o ajuste fiscal e o fim dos embates políticos que marcam a relação do governo de Jair Bolsonaro com o Congresso Nacional e os governadores.

O Ministério da Economia ainda não comentou a queda do Brasil no ranking global. Porém, avaliou como “moderado” o tombo do PIB do Brasil em 2020, já que a queda de 4,1% foi menor que o esperado no início da pandemia e também que o tombo registrado por países como México (-8,7%) e Reino Unido (9,9%). O levantamento da Austing Rating revela, contudo, que a retração brasileira superou a média dos BRICs, cujo PIB caiu cerca de 3% em 2020.

O comparativo considera o PIB dos países em valores correntes, em dólares. Veja quadro abaixo:

Confira a análise no canal Pátria & Defesa: