PF diz que ataque hacker ocorreu em 2020 e contraria Barroso.

A análise da Polícia Federal em conjunto com o TSE aponta que o ataque hacker que acessou dados pessoais de funcionários do tribunal foi mais amplo que o divulgado anteriormente pelo ministro Luís Roberto Barroso.

De acordo com as investigações, o hacker teve acesso a dados de 2020, como endereços e telefones, no Portal do Servidor, um sistema administrativo e sem relação com o processo eleitoral.

Inicialmente Barroso disse que os hackers tiveram acesso somente ao período de 2001 a 2010.

A suspeita é de que o ataque tenha acontecido antes de 1º de setembro porque o material não mostra informações registradas nos arquivos do TSE após o dia 2 

No domingo, houve nova tentativa de ataque hacker ao sistema do tribunal, mas por meio de acessos massivos para derrubar o sistema. O ataque, com origem no Brasil, Nova Zelândia e Estados Unidos, foi neutralizado e não afetou a votação, apuração e totalização dos votos.

Segundo TSE, a divulgação dos resultados atrasou porque a inteligência artificial do supercomputador não conseguiu processar rapidamente a grande quantidade de dados.