Os Generais do Presidente

General Heleno

Augusto Heleno Ribeiro Pereira nasceu em Curitiba, 29 de outubro de 1947) é um general de exército da reserva do Exército Brasileiro.

Foi comandante militar da Amazônia e Chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia.

Atualmente é o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, no governo Jair Bolsonaro.

Graduou-se aspirante-a-oficial de cavalaria em 1969, na Academia Militar das Agulhas Negras, sendo o primeiro colocado de sua turma de cavalaria. Foi também o primeiro colocado de sua turma de cavalaria na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) e na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), recebendo por isso a medalha Marechal Hermes de prata dourada com três coroas. No posto de major, integrou a missão militar brasileira de instrução no Paraguai.

Como comandante militar da Amazônia, o general Heleno contestou a política indigenista do governo Lula, que qualificou de “lamentável para não dizer caótica”.

Sua última função no serviço ativo foi a de chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia. Em 9 de maio de 2011, numa cerimônia no Quartel General do Exército em Brasília, passou para a reserva, após 45 anos de vida militar.

General Braga Netto

Walter Souza Braga Netto nascido emBelo Horizonte, 11 de março de 1957) é um general do Exército Brasileiro.

De fevereiro de 2018 a janeiro de 2019 foi o interventor federal no estado do Rio de Janeiro. Foi comandante Militar do Leste até fevereiro de 2019, quando foi designado para assumir a chefia do Estado-Maior do Exército.

Em 18 de fevereiro de 2020 assumiu o cargo de ministro-chefe da Casa Civil da Presidência do Brasil. Em 29 de março de 2021, foi nomeado ministro da Defesa.

Praça de 17 de fevereiro de 1975, ingressou na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) onde, em 14 de dezembro de 1978, foi declarado aspirante-a-oficial da arma de cavalaria. Foi promovido a 2º tenente em 31 de agosto de 1979, a 1º tenente em 25 de dezembro de 1980 e a capitão em 25 de dezembro de 1984.

Promovido a general de brigada em novembro de 2009, foi nomeado chefe do Estado-Maior do Comando Militar do Oeste em 23 de novembro.

Em 2011, foi designado adido militar do exército junto à Embaixada do Brasil nos Estados Unidos da América, também credenciado junto ao Canadá.[

Em 31 de março de 2013, foi promovido a general de divisão. Em 21 de agosto, foi nomeado coordenador geral da assessoria especial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro em 2016. Em 25 de novembro de 2015 assumiu o comando da 1.ª Região Militar, cargo que exerceu de 24 de novembro de 2015 a 27 de julho de 2016.[

Em 31 de julho de 2016, foi promovido a general de exército e nomeado comandante Militar do Leste, cargo que exerceu de 23 de setembro de 2016 a 26 de abril de 2019.[

Em 16 de fevereiro de 2018, foi nomeado pelo presidente Michel Temer como interventor federal na Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro, sendo a primeira vez na história do Brasil que foi decretada uma intervenção federal para aquele estado.

Braga Netto foi chefe do Estado-Maior do Exército, de 28 de abril de 2019 a 13 de fevereiro de 2020. Em 29 de fevereiro de 2020, foi transferido para a reserva.

General Mourão

Antônio Hamilton Martins Mourão nascido em Porto Alegre, 15 de agosto de 1953 é um general da reserva do Exército Brasileiro e o atual vice-presidente do Brasil, desde 2019.[

Em 28 de fevereiro de 2018, após longa atuação na carreira militar — marcada por diversos comandos exercidos e algumas opiniões polêmicas — passou para a reserva remunerada. 

Ingressou no Exército em fevereiro de 1972, na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) onde, em 12 de dezembro de 1975, foi declarado aspirante-a-oficial da Arma de Artilharia.[

Em seguida obteve cursos de formação, de aperfeiçoamento, de altos estudos militares da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e do Curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército, além dos cursos básico paraquedista, mestre de salto e salto livre, também possui o curso de guerra na selva.[

Durante sua vida militar, foi instrutor da Academia Militar das Agulhas Negras, cumpriu Missão de Paz em Angola – UNAVEM III – e foi adido militar na Embaixada do Brasil na Venezuela.

Comandou o 27° Grupo de Artilharia de Campanha em Ijuí (Rio Grande do Sul), a 2ª Brigada de Infantaria de Selva em São Gabriel da Cachoeira (Amazonas), e a 6ª Divisão de Exército, em Porto Alegre.[

Foi Vice-Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército e foi promovido ao último posto, Comandante Militar do Sul, entre 28 de abril de 2014 e 26 de janeiro de 2016. 

Na sequência, chefiou a Secretaria de Economia e Finanças, de onde foi exonerado em 9 de dezembro de 2017. Na época, a sua exoneração foi associada ao teor de suas declarações durante palestras que ministrava em Clubes do Exército ao redor do país.

Deixou o serviço ativo em 28 de fevereiro de 2018, após 46 anos de serviço, sendo transferido para a reserva remunerada

General Pazuello

Eduardo Pazuelloé um general de divisão do Exército Brasileiro.

Foi ministro da Saúde do Brasil durante a crise de saúde pública, entre 2020 e 2021.Em 1 de junho de 2021, foi designado por Bolsonaro como secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria de Assuntos Estratégicos.

Formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras como Oficial de Intendência, em 1984. E cursou Comando e Estado-Maior no Exército, o curso de política e estratégia aeroespaciais, na Força Aérea Brasileira (FAB).

No Exército, comandou o 20° Batalhão Logístico Paraquedista e dirigiu o Depósito Central de Munição, ambos no Rio. O general atuou na coordenação das tropas do Exército nos Jogos Olímpicos de 2016 e, desde fevereiro de 2018, coordenou a Operação Acolhida, que cuida de refugiados da Venezuela em Roraima, além de servir previamente como Secretário da Fazenda no Governo do Estado de Roraima no período da intervenção federal, de onde anunciou sua saída em 15 de fevereiro de 2019.[

Em 8 de janeiro de 2020, deixou a coordenação da operação para comandar a 12ª Região Militar, em Manaus (AM) substituindo Carlos Alberto Maciel Teixeira.

Em 14 de setembro de 2020, o presidente Jair Bolsonaro anunciou Pazuello no cargo de Ministro da Saúde.

Em 1 de junho de 2021, foi designado por Bolsonaro como secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria de Assuntos Estratégicos.

General Ramos

Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira nasciso em12 de junho de 1956, é um general do Exército Brasileiro, atual ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República. Anteriormente, foi ministro-chefe da Secretaria de Governo e ministro-chefe da Casa Civil.

General de Exército Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira.

Ingressou na carreira militar em 8 de março de 1973, na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, tendo sido declarado aspirante a oficial da arma de infantaria em 14 de dezembro de 1979, na Academia Militar das Agulhas Negras.

Cursou a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e voltou a ser instrutor da AMAN, sendo promovido a tenente-coronel em 31 de agosto de 1997. Foi assessor parlamentar no Gabinete do Comandante do Exército.

Promovido a coronel em 31 de agosto de 2003, comandou o 8º Batalhão de Infantaria Motorizado, em Santa Cruz do Sul-RS e foi adido militar em Israel. Ao retornar ao Brasil, foi Chefe do Estado-Maior da Brigada de Infantaria Paraquedista e assistente do Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército.

Ascendeu a General de Brigada em 31 de março de 2010, sendo designado comandante da 8.ª Brigada de Infantaria Motorizada, em Pelotas.[ Na sequência, comandou a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti e a 11.ª Região Militar, em Brasília. Promovido a general de divisão em 31 de março de 2014, comandou a 1.ª Divisão de Exército no Rio de Janeiro e foi vice-chefe do Estado-Maior do Exército.[

Foi  Comandante Militar do Sudeste entre 3 de maio de 2018 e 3 de julho de 2019.

Em 16 de Junho de 2020, o general Luiz Eduardo Ramos, á época ministro da Secretaria de Governo, foi transferido para a reserva.

Almirante Flávio Rocha

O Secretário Especial de Assuntos Estratégicos do Governo Bolsonaro, Almirante de Esquadra Flávio Augusto Viana Rocha, nascido em Fortaleza, Ceará, iniciou a carreira militar em 1981.

Como Oficial da Marinha, foi seis vezes titular de unidade militar: três Comandos no mar, e três unidades como Almirante (Centro de Comunicação Social da Marinha, Gabinete do Comandante da Marinha e Comando do 1º Distrito Naval).

Também como Almirante, foi o responsável pelas Relações Internacionais e pela formulação da Política, Estratégia e Doutrina da Marinha do Brasil, incluindo o Planejamento Estratégico da Marinha. Nesse cargo, chefiou delegações da Marinha em reuniões bilaterais com os três países da América do Norte, nove países da América do Sul, oito da Europa, cinco da África e um da Ásia. Estabeleceu intercâmbios acadêmicos com diversas instituições no Brasil e no exterior, incluindo o King´s College London, onde se tornou “Fellow”. A experiência internacional de Flávio Rocha também inclui o cargo de Instrutor de Navegação e Marinharia na Academia Naval dos Estados Unidos da América em Annapolis.

No Congresso Nacional, atuou por quatro anos como Assessor Parlamentar, sendo o elo entre a Marinha do Brasil e a Câmara dos Deputados.

Possui aperfeiçoamento em submarinos, mestrado e doutorado em Ciências Navais pela Escola de Guerra Naval e é pós-graduado em Assessoria Parlamentar e Relações Legislativo/Executivo pela Universidade de Brasília (UnB) e em Direito Legislativo pela  Universidade do Legislativo.  Na área estratégica, possui o curso de Política e Estratégia Marítimas, pela Escola de Guerra Naval e “Strategic Thinking”, pela Universidade da Virginia (EUA).

Foi agraciado com 17 condecorações nacionais e 4 estrangeiras.