Ministros do STF dizem que Bia Kicis na CCJ é “declaração de guerra”

Ministros do STF surtaram ao saber que a deputada federa, Bia Kicis, comandará a comissão mais importante na Câmara dos Deputados.

A deputada foi indicada para presidir a Comissão de Constituição de Justiça (CCJ).

Ministros do STF teriam dito que a possível indicação da deputada à presidência da CCJ da Câmara seria uma declaração de guerra à corte.

O pânico é porque Bia é autora de uma proposta de emenda à Constituição para antecipar a aposentadoria dos integrantes da corte para 70 anos de idade. Hoje, a aposentadoria compulsória ocorre aos 75 anos.

Se a proposta da deputafa vingar, Bolsonaro teria direito a indicar mais ministros do tribunal até o fim do seu mandato. A PEC atingiria diretamente os ministros Rosa Weber e Ricardo Lewandowski.

Além disso, Bia disse já ter conversado com o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), autor de projeto que inclui na lista dos crimes de responsabilidade a “usurpação de competência do Congresso” por parte de ministros do Supremo. A proposta está parada na CCJ desde 2016. Uma das principais apoiadoras do governo Jair Bolsonaro, a deputada tem a bênção do novo presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), para ser a primeira mulher da história a comandar a CCJ.

O governo passou uma lista de projetos prioritários para o Congresso votar e incluiu medidas da pauta de costumes e a deputada vai trabalhar pela aprovação das pautas.