Marcelo Odebrecht abre o jogo sobre o acerto de seu pai com Lula

O empresário Marcelo Odebrecht fez mais uma revelação bombástica nesta segunda (7), e abriu o jogo sobre o acerto de propinas ao Partido dos Trabalhadores em favor do ex-presidente Lula, relacionado ao financiamento pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de exportação de serviços do grupo em Angola.

As declarações foram feitas por Marcelo como delator do caso, onde empresário disse que manteve o teor de suas delações e voltou a apontar contradições nos depoimentos do pai, Emílio Odebrecht.

Marcelo Odebrecht declarou:

“Naquela época, eu tinha uma conta corrente que eu e Palocci administrávamos, e que pertencia ao PT, Lula e que, na verdade, era fruto de um combinado de Lula com meu pai. Quando havia pedidos de valores para ajudar o PT, saía dessa conta corrente.”

A conta corrente está registrada na “Planilha Italiano“, apreendida pela Operação Lava Jato, que era a contabilidade informal de um crédito de R$ 300 milhões que os Odebrecht reservaram para pagamentos ao PT.

A Odebrecht afirma que na “Planilha Italiano” havia duas “contrapartidas”, a primeira que seriam os negócios onde houve cobrança condicional de propinas, o caso do chamado “rebate”, no negócio em Angola e BNDES, e a segunda o Refis da Crise.

Marcelo Odebrecht ainda apontou envolvimento do ex-ministro Paulo Bernardo, no caso do financiamento de Angola.

“A Planilha Italiano era a conta corrente onde havia créditos que eram colocados em função de pedidos, que eram feitos, principalmente através de Palocci. Basicamente por Palocci e, no caso do rebate, por Paulo Bernardo.”


Deixe um comentário

avatar
  Inscrever-se  
Notificação