Nosso Exército: Comandante da Força decide por não punir Pazuello

O comando do Exército anunciou nesta quinta (3) que o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, não sofrerá punição por ter participado de um ato com o presidente Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro em 23 de maio.

Em nota, “o Comandante do Exército analisou e acolheu os argumentos apresentados por escrito e sustentados oralmente pelo referido oficial-general. Desta forma, não restou caracterizada a prática de transgressão disciplinar por parte do general Pazuello. Em consequência, arquivou-se o procedimento administrativo que havia sido instaurado”, diz a nota.

Pazuello diz que agiu com a “honra pessoal” e que estava acompanhado do Chefe Supremo das Forças Armadas

Na sua defesa, Pazuello argumentou que o passeio de moto no Rio não representou um evento político-partidário. Também lembrou que não é um período eleitoral e que o presidente Bolsonaro sequer está filiado a algum partido.

O general ainda disse que agiu de acordo com a “honra pessoal”, e citou o artigo 06 do Regimento Disciplinar do Exército.

O artigo 06 prevê que a aplicação do regimento da corporação deve ser aplicado levando em consideração a “honra pessoal: sentimento de dignidade própria, como o apreço e o respeito de que é objeto ou se torna merecedor o militar, perante seus superiores, pares e subordinados”.

Com a decisão, nosso Exército demonstra total alinhamento com o Bolsonaro.

Pazuello não só não foi punido, como não foi para reserva e para completar assumiu posto estratégico na SAE que fica dentro do Palácio do Planaldo, portanto, ao lado do presidente.