joao camilo pires de campos

Doria anuncia general Campos para Secretaria da Segurança Pública em SP

O governador eleito João Doria (PSDB) nomeou nesta terça-feira (13) dois novos secretários e dois assessores especiais para sua equipe. O general da reserva do Exército, João Camilo Pires de Campos, será secretário da Segurança Pública de São Paulo. A última vez que um militar comandou a segurança de São Paulo foi na década de 70, com o coronel Erasmo Dias, de 1974 a 1979.

General João Camilo Pires de Campos (Segurança pública)

Será secretário da Segurança. Nasceu em Campinas, tem 64 anos. Ingressou na Escola Preparatória de Cadetes do Exército em 1970, foi instrutor da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais e da Escola de Comando e Estado-Maior. Foi professor da Academia de Guerra do Força Terrestre e do Instituto Nacional de Guerra do Equador. Como coronel, comandou Grupo de Artilharia, em Brasília. Atuou General de Brigada no Rio de Janeiro. Atuou como General de Divisão em Brasília e São Paulo. Como General de Exército, chefiou o Departamento de Educação e Cultura do Exército, no RJ, e chefiou o Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera.

Em entrevista coletiva, o general João Camilo afirmou que não se pode esperar uma tropa levar tiro para “responder” em caso de ataque de criminosos.

“Esse tema [de policiais que matam suspeitos] está em estudo e deve ser amadurecido. Porque não se pode admitir uma tropa ter que levar um tiro para que possa responder. No meu entendimento é ameaça, mas [o assunto] merece ser colocado em amadurecimento”, declarou.

O secretário disse ainda ter convicção de que “não se mata por matar” e que “vai ser uma gestão serena e segura”. “Cada caso é um caso. Eu sou a favor daquilo que o governador diz que um policial tem que ser valorizado e o policial tem que ser amparado pelo Estado.”

O general também disse que o tema dos roubos de carga “é um problema que será atacado” e que o crescimento de crimes contra a mulher “tem que ser combatido com tecnologia”. “Elas [mulheres] têm que ser protegidas”, disse.

Por: Marina Pinhoni , G1 SP

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever-se  
Notificação